Lutar contra a maré dos instintos é uma batalha perdida por excelência. Chega um momento em que o estoque de perdão acaba, a cota de relevância chega ao fim e paciência você nem se lembra mais o que significa. Pois bem, não se acanhe. Afinal, somos todos tentados pelo lado negro da força quando escutamos a marcha imperial e andamos entre os mortais. Não existem regras por aqui. Entre e venha festejar conosco a inveja, a intolerância e a incompreensão!

12 de set de 2012

Problema resolvido


       Hoje me deparei com mais uma daquelas situações, que parecem não ter solução.
depois de tanto quebrar a cabeça e pesquisar quase que até enlouquecer, parei, respirei, e me lembrei de uma história, possivelmente vocês já tenham ouvido, era mais ou menos assim:
"...Ao se deparar com um problema, um setor de inteligência de um governo, investiu milhões, para que se fosse possível desenvolver uma caneta que pudesse escrever em um ambiente sem nenhuma gravidade, o sucesso foi conquistado, muito legal, e parabéns pela inteligência...  Os concorrentes usaram um lápis...!!!"

     A moral que obtive, é que as vezes acabamos por nos focar demais no problema, e acabamos nem vendo as infinitas possibilidades de soluções, e ainda pra piorar, acabamos por buscar conhecimento com as pessoas que não estão interessadas em ajudar a resolver, mas sim em mostrar que sabem resolver, e que são superiores por nós nunca termos nos deparados com algo semelhante, ou seja admiram se pela soberba do falso conhecimento em problema, quando na verdade devemos ter o nosso orgulho voltado a capacidade  que temos de solucionar os mesmos. Acredito que ao decorrer dos anos aprendemos que o "jeitinho brasileiro" é usar de artifícios pelo bem dos objetivos... é, acho que deturpamos mais alguma coisa!!!
      O fato é que devemos estimular a capacidade de solução, mas não de passar a perna nos outros.

Abraço a todos.

Imagem da postagem: Google imagens.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe o seu comentário.